Como combater a obesidade sem sofrimento com o coaching
1323
post-template-default,single,single-post,postid-1323,single-format-standard,mega-menu-top-navigation,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Como combater a obesidade sem sofrimento com o coaching

Você sabia que mais de 52% dos brasileiros estão acima do peso? Dado alarmante, não é mesmo?  E se eu te dissesse que 17% deste percentual já é considerado obeso? O mais preocupante é que os números de obesidade no país vêm crescendo dia após dia. A pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde em abril de 2015 revela alguns fatores que contribuem para este aumento nos números, entre eles, está o menor tempo disponível para alimentação, o que influencia as pessoas a comerem mais lanches – os chamados fast-foods -, o consumo de bebidas alcoólicas e o tabagismo.

É necessário compreender o que causa o aumento de peso, a obesidade e consequentemente, a dificuldade de emagrecer da população. A obesidade não é apenas uma questão alimentar, é também uma questão de saúde, onde diversos fatores emocionais podem colaborar com este quadro. Para alcançar o emagrecimento saudável e definitivo, é preciso descobrir quais são as estruturas emocionais que se escondem por trás do desejo de comer, e como reprogramá-las para que o objetivo de emagrecer seja alcançado com sucesso.

Compulsão alimentar e sua ligação com a obesidade

Em sua maioria, as pessoas com obesidade tem compulsão alimentar. Sempre ouvimos frases como: “Ah, eu não consigo deixar de comer um chocolate por dia” ou “Eu não resisto a um doce depois que eu almoço”. Geralmente, esse desejo pelo chocolate, doce ou qualquer outro alimento, esconde uma necessidade emocional, muitas vezes inconsciente. Ou seja, ao comer o açúcar, a massa ou a carne, a pessoa está preenchendo um espaço vazio em sua estrutura emocional que faltou no passado ou falta no presente.

E a cada chocolate comido, esse sentimento de falta é preenchido, fazendo a pessoa querer cada vez mais sentir-se completa. Com isso, o consumo se eleva, contribuindo com o crescimento de sua compulsão e consequentemente com o aumento de seu peso. O problema é que o alimento não está sendo usado como um desejo físico, e sim como um desejo emocional. Ou seja, existe um padrão emocional sustentado por uma estrutura psíquica que dispara a necessidade desse tipo de comida, no caso, o açúcar. Mas porque isso acontece?

O açúcar, em nosso organismo, libera serotonina, que é o hormônio do prazer. Com isso, traz à pessoa uma sensação de alívio, relaxamento, de prazer mesmo. E essa sensação alivia uma necessidade emocional, como a ansiedade, por exemplo. Resumidamente, a pessoa usa o chocolate como remédio para a estrutura emocional problemática.

Programação mental

Há também a questão do hábito de comer determinado alimento em determinado horário. Nosso cérebro tem diversas programações, que estimulado com repetidas ações, se torna algo natural e inconsciente. Por exemplo, uma pessoa que foi criada sempre comendo aquela bela macarronada no almoço de domingo, vai sentir falta deste prato se em algum domingo o almoço for arroz integral e salada. Com isso, é muito mais fácil para essa pessoa comer o macarrão do que o arroz integral, porque essa ação já está automatizada em seu cérebro, além de lhe remeter momentos bons, como sua infância e o almoço em família.

Aliás, em muitos momentos os alimentos estão ligados à emoções. Por exemplo, ao comer carne, uma pessoa se sente feliz e confortável, pois lembra dos churrascos em que já participou, onde o clima era alegre e descontraído. Essa mesma pessoa não gosta de comer salada, pois sempre que comeu salada, era quando tentava iniciar uma dieta. A sensação que lhe causa é de obrigação, de dever. Por essa razão evita comer a salada, para não sentir essa sensação de obrigação, e busca a sensação de prazer, comendo a carne.

Também há pessoas que ao ver o alimento, já imaginam o seu gosto na boca, e conforme mais suculenta e bonita a comida, mais ele coloca no prato, não pensando se é muito calórico ou não. Depois de comer, fica aquela sensação pesada no estômago, de desconforto, mas ao mesmo tempo ele se sente saciado por causa da imagem gostosa que ele projetou em sua mente.

Fatores psicológicos, crenças e autossabotadores

Muitos fatores psicológicos influenciam no aumento de peso ou na dificuldade de perdê-lo. Por exemplo, inconscientemente, as pessoas podem se aproveitar do seu corpo mais gordinho para se afastar de atividades sexuais. Ou seja, engordam para ser menos atraente. Assim como pessoas que decidem se manter acima do peso para não colocar seu relacionamento em risco, com receio de chamar mais atenção se for mais atraente. Estes exemplos mostram que, mesmo que de maneira inconsciente, o excesso de peso é utilizado como um escudo, pois é uma maneira de não enfrentarem seus medos internos.  

Há também as crenças internalizadas. Alguém que sempre ouviu na infância “Tal pessoa é forte porque é gordinho” ou “Pra ficar forte tem que comer bastante”, tem como verdade que para ser forte, tem que estar acima do peso, que gordura é igual à saúde. E se emagrecem, começam a se sentir mais fracas, voltando para o seu peso anterior. Há pessoas que confundem abundância, riqueza, saúde, com gordura. São crenças instaladas que podem sabotar o processo de emagrecimento.

Outro sabotador deste processo é a briga com a sociedade. Têm pessoas que possuem uma crença interna de que a sociedade impõe um modelo de biotipo.  Então elas querem fazer o contrário disso, principalmente na adolescência, a fase da rebeldia. Com isso, se colocam contra  essa imposição da sociedade ou da família. E se manter acima do peso vira uma questão de honra. Depois dessa fase rebelde a pessoa até deseja emagrecer, mas como fortaleceu essa crença por tanto tempo, é muito desafiante mudar.

Existem muitos mais processos que sabotam o emagrecimento. Fiz uma série de vídeos que explica cada um dos sabotadores e você pode acessá-los gratuitamente aqui. Entre eles, uma pessoa começa emagrecer e passa a ouvir críticas sobre a sua redução de peso. “Ah, mas não precisa se privar!”, “Come só um pouquinho, não vai fazer mal né!”, “Preferia você mais gordinha”. Ao ouvir essas críticas ao seu corpo, a chance de sabotar o processo de emagrecimento é muito grande se ela não se blindar desses comentários.

Como resolver de verdade o excesso de peso?

Você viu acima que há muitos fatores que contribuem  para o excesso de peso ou para a dificuldade de perdê-lo. Mas como solucionar essas crenças e programações que não deixam você emagrecer?

Um dos primeiros passos é a motivação. É fundamental ter a vontade de emagrecer, ter determinação para conseguir mudar seus hábitos. Há ações que ajudam muito, como ir ao nutricionista, fazer exercícios físicos, até mesmo medicamentos, desde que sempre com prescrição médica. Porém, sozinhos, não dão o resultado que você deseja.

É preciso ressignificar suas crenças e sabotadores internos que te impedem de emagrecer! É preciso mudar os padrões que te limitam para que você consiga atingir os seus objetivos de maneira plena, para que não tenha o efeito sanfona que geralmente acontece em casos de emagrecimento rápido.

Para isso, é necessário mexer na estrutura psíquica responsável por estes impulsos, pela necessidade excessiva de comer. Muitas vezes, são crenças e padrões originados na infância. É preciso entender e reestruturar a causa de dentro pra fora. Quando isso acontece, a pessoa naturalmente passa a se perceber sem essa compulsão, sem precisar controlar. Porque apenas controlar não resolve, haverá algum momento em que o desejo vai ter que ser libertado, o que pode levar tudo a perder. O que funciona é a conscientização e a mudança efetiva da programação, para que não precise haver esse controle.

Quando você ressignifica essas estruturas, limpa os sentimentos que te fazem engordar, naturalmente pode se direcionar para novos hábitos sem sentir que está reprimindo algo, ou seja, fica muito mais fácil seguir o processo de emagrecimento, de uma maneira mais confortável e prazerosa.

É justamente nesta ressignificação e reprogramação que o  processo de Coaching de Emagrecimento pode ser fundamental para que você alcance definitivamente o seu objetivo de maneira saudável e permanente. Durante esse processo é feita uma investigação sistêmica de todos os seus sabotadores e, com técnicas específicas da Metodologia TES, esses sabotadores são reprogramamos, resultando num emagrecimento saudável e com uma nova estrutura emocional que impeça o efeito sanfona.

E você, identificou algum desses padrões em sua vida? Conte para nós seus desafios para alcançar o corpo e a saúde desejados. Comente abaixo!

Se você quiser saber mais sobre nosso trabalho, entre em contato conosco.

Confira como é possível se livrar dos sabotadores e ter uma vida com mais saúde! Até a próxima!

Nenhum Comentário

Comentar

X